14 de março de 2013

A imigração nos torna criativos!

É realmente interessante como mudamos completamente nossos modos de pensar sobre diversas coisas após entrarmos em um processo de imigração. As coisas mudam ainda mais quando temos alguma experiência em outro país. Nos tornamos cada vez mais apartados do que achavamos ser realidade única, e passamos cada vez mais a ser pluralistas em vários sentidos.

Bom, claro, falo por mim e pelas pessoas que se sentem desta forma.

Hoje venho comentar um pouquinho de como isso me tornado mais criativo como pessoa. É engraçado pois o meu modo de pensar hoje em dia, em conversa com pessoas de nosso cotidiano, sou considerado algo mais facilmente descrito como "exótico". rs.. Ok, deixe-me explicar. Bom, tenho vontades e objetivos completamente moldáveis e flexíveis, que reagem conforme as coisas acontecem em minha vida. Pelo menos 80% das vezes que uma situação me enfrenta, aprendo algo novo e interessante, que acaba por moltar minha forma de pensar de uma forma ainda mais diferente da forma "generalista" de persarmos. O que quero dizer com isto? Bom, para a maioria de nós, nossos pais nos dizem para estudarmos bastante, ou não teremos a possibilidade de conseguir entrar na faculdade, e conquistar bons empregos, e por consequência, uma boa aposentadoria. E bom, não que eu discorde de tudo isto, mas penso sobre outros caminhos sobre uma perspectiva que quase ninguém consegue aceitar, por ser muito arriscada.

O primeiro risco é justamente relacionado à imigração. É um risco que todos nós, imigrantes e batalhadores desta saga, passamos e enfrentamos. São poucos que conseguem chegar com um belo pé de meia no Canadá, com emprego garantido, currículo impecável, inglês e francês fluentes feito nativos, perfeitamente integrados a realidade pluralista de um país de tantas culturas, e por aí vai. "Imigração = Risco + Risco . (Risco²)" É assim que muitos vêem isto. rs..

"Certo, e onde entra a ideia da criatividade então?" Vamos lá!

Entendo ser muito comum que muitos de nós, imigrantes, acabamos por começar a usar a cabeça de formas diferentes, até porque precisamos permanecer vivendo enquanto esperamos o processo, precisamos nos divertir, precisamos ter uma vida saudável, uma vida social adequada; ao mesmo tempo que demandamos um alto nível de limites, não podendo comprar muita coisa, não pensar a longo prazo, não podendo isso, não podendo aquilo. É aqui que entra a criatividade, e muitas vezes, a simplicidade. Aprendi que podemos viver enquanto esperamos, nos divertir com pouco ou nenhum dinheiro, ter uma saúde bacana sem gastar rios de dinheiro com academia, ter uma vida social equilibrada mesmo em semanas cheias de aulas de línguas.

Por fim, sabe onde fui chegar? Em minhas horas vagas, para reduzir os rios de dinheiro com gastos com o aprendizado de inglês e francês, moldei uma estratégia que já vem funcionando há algum tempo! Já havia chegado em um nível usual e prático na língua inglesa, e com isto, comecei a dar aulas particulares nesta língua não necessariamente buscando lucro com isto. A ideia era, somente, zerar meus custos com o aprendizado de línguas estrangeiras visando a imigração. Ensino inglês, aprendendo e revisando ao mesmo tempo tudo aquilo que já vi, e com isto, pago minhas aulas de francês e ainda sobra um trocado para as horas realmente livres, pois ninguém é de ferro!

Me peguei pensando nisto estes dias, e em como a vida pode se tornar algo engraçado, prático e diferente quando pensamos de formas criativas!

Enfim, só compartilhando um pouquinho de algumas boas coisas que a imigração já me possibilitaram.

Compartilhe um pouquinho da "criatividade imigrativa" que há em você. rs..

Até a próxima!

4 comentários:

  1. hehehehe,
    é verdade mon ami.
    Tbm to querendo alumentar a renda e aumentei a minha carga horária na escola, fiz concurso para prof temporaria e até vendedora da Mary Kay, pretendo ser, kkkkkkkkkkkkk

    Mas o q importa é chegarmos com algum dimdim.
    abraço,

    ResponderExcluir
  2. Filipe, meu caro, disse tudo agora!

    Concordo plenamente que uma temporada fora, de férias ou trabalhando ou estudando, realmente abre a nossa cabeça. O que você falou ali aconteceu comigo na primeira vez que fui pra fora: de repente, tudo o que você achava que era a realidade única e inabalável se torna "apenas" mais uma realidade. Você aprende que a sua realidade não é a mesma de outras pessoas em outros recantos do mundo, por mais óbvio que isso pareça.

    E, em relação à criatividade e adaptação, é isso mesmo. A gente nunca sabe para onde estamos indo com cada decisão que tomamos. A gente faz planos, claro, mas quem disse que eles seguirão do jeito que a gente espera? Por isso, acho muito importante fazer o que você falou: continuar vivendo e se reinventando para diminuir a ansiedade com o processo, acertar as contas e talvez até descobrir - por que não? - um novo trabalho do qual goste.

    Parabéns pela postura, e vamos em frente!
    Doug
    http://jornadaparaonorte.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi, Filipe! Tudo bem?

    Gostei do seu texto, embora eu não saiba dizer se eu tenho usado essa "criatividade imigrativa" no meu dia-a-dia.

    A parte com a qual me identifiquei mesmo é quando você fala que, diante de outras pessoas, você tem uma forma de pensar "exótica". É isso mesmo que ocorre comigo, sempre foi assim e a imigração reforçou isso.

    E agora cheguei em um estado que não apenas eu tenho uma maneira de pensar diferente, mas eu também me canso fácil (enjôo) das pessoas que pensam de forma mais convencional. Acho entediante quando sento para conversar com pessoinhas que pensam igual, falam igual, possuem os mesmo sonhos... Pessoas que mal abrem a boca e você já consegue saber qual é o final da frase... Afff... Me canso só de pensar! =P

    Beijos,
    Lidia.

    ResponderExcluir
  4. Não é só a imigração que nos deixa assim. Posso dizer que a falta de emprego aqui me deixou um pouco criativa e, assim faço cupcakes para vender. Para ter algo com que me ocupar além do estudo do francês e o curso de administração. Uno o útil ao agradável, pois adoro cozinhar. E já ganho uns troquinhos. Mas não esta dando para guardar, porque como faço por encomenda, não sai muito e o que ganho com as vendas, invisto em mais material.
    Mas vamos levando.

    Boa sorte ai !!

    abraços;
    Catherine
    http://meetyoutherecanada.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Obrigado por me acompanhar! :)

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.