26 de novembro de 2010

Eu vou sair, você fecha a porta?

Olá!

Estou em débito com vocês quanto a série de dicas de trabalho no Canadá, mas este post não irei falar disto. Prometo em breve dar continuidade.

Pois bem. Assisti a um curta metragem que encontrei no blog Eu no Québec que se chama "O último que sair fecha a porta". Trata-se de um retrato de alguns pretendentes a imigração pelo Québec, e inclusive mostra duas realidades bem contrastadas.

Uma delas a história de um casal que, possui uma situação razoável no Brasil, e que conheceram outro casal com uma situação ainda melhor no Brasil. Todos já em processo de imigração. E do outro lado temos a história de uma mulher que tem o mesmo sonho de imigração, porém vem de uma realidade bem mais simples, com maiores dificuldades. Por favor, vejam que não estou minimizando ninguém, pelo contrário, admirei muito a história de cada um contada no filme.

A mulher do segundo casal que citei diz que possui um ótimo cargo, em uma empresa "dos sonhos", ganha bem, tem grandes possibilidades, e tudo isso numa idade bem jovem, e seu marido também está em uma situação bem vantajosa no Brasil, e então ela cita os questionamentos dos pais: "Pra que vocês irão fazer isso?", "Vocês estão bem aqui." e citam todas as conquistas do casal. Após isto, ela mesma se questiona: "Será que minha ida ao Québec não é uma forma de fugir e ser covarde ao enfrentar os problemas no Brasil?". Ela mesma responde: "Talvez seja, mas é a única forma de protestarmos e mostrarmos que é basicamente isso: O último que sair fecha a porta".

E me vi muito nesta situação. Sou realmente bem jovem, possuo um emprego maravilhoso, em uma empresa igualmente maravilhosa, sou rodeado de pessoas muito competentes que me fizeram crescer de forma a perder de vista, tenho possibilidades de estudar, morar em casa própria, quitar meu carro... Pra que emigrar pro Canadá? Vou largar toda essa minha oportunidade de construir uma boa vida aqui por algo incerto? E se não der certo? Terei de começar tudo novamente no Brasil?

O fato é que fico muito triste de ter que deixar algumas coisas pra trás, entre elas oportunidades tão grandiosas, mas infelizmente não há o que possamos fazer, mesmo que unidos, pra resolver problemas que já são parte da cultura brasileira. Ou "nos acovardamos" e fugimos pro Canadá, ou sentamos e engolimos os problemas que temos no Brasil.

Prefiro arriscar. Irei perder minha oportunidade no Brasil, e tentar uma vida mais dentro do que entendo como viver.

Triste é que grande parte destes emigrantes, possuem uma capacidade enorme! São pessoas que só por conseguirem emigrar já mostram seu potencial, e mesmo assim serão utilizadas lá fora, e não no seu país de origem, pois o mesmo nem se importa se você está indo embora ou não. Não faz diferença, sempre haverá alguém pra continuar pagando pra ver.

Por isso e por muitas outras coisas sou a favor do "O último que sair fecha a porta"...

Abraços.

8 comentários:

  1. Eu já morei 8 anos nos EUA e agora vou morar mais não sei quantos no Canadá, e o que eu posso dizer é que, além dos problemas do Brasil, eu sinto que viver fora, conhecer novas pessoas, culturas, enfrentar desafios, me dá a impressão de que eu estou aproveitando a vida, nunca vou poder dizer que não tentei, nunca vou poder dizer "eu deveria ter ido"...enquanto temos saúde pra ir, idade e vontade, acho que devemos "pagar pra ver", se não der, voltamos, o Brasil sempre será a nossa casa :):):)

    ResponderExcluir
  2. Pois no Brasil eu tinha um otimo emprego, com um belo salario e nao me arrependo de ter vindo. Ganhamos muito vindo pra esse pais: respeito e seguranca.

    E a vida segue...

    ResponderExcluir
  3. A proposito, a menina de origem simples do documentario conseguiu seu visto. Fiquei sabendo disso algum tempo depois.

    E a vida segue...

    ResponderExcluir
  4. Esse documentário é bom mesmo e bem tranquilo de assistir. Quando vimos estávamos ainda bem no começo da decisão de mudar e eu adorei o climinha tenso que eles dão! :)

    Sabe que depois eu fiquei com vontade de entrar em contato com eles para saber se a menina cosnegue o CSQ ou não? Eles terminam o documentário com ela entrando para fazer a entrevista, né? Aía gente fica curioso querendo saber o resultado...
    Abçs,
    Lídia.

    ResponderExcluir
  5. Pois é. Várias vezes eu pensei na sua situação e na sua fome em morar no Canadá. Você tem tudo e está disposto a arriscar a vida em outro lugar, com novos desafios. Bom, admiro você por isso... Até porque eu, estando numa situação estável, sei lá, não faria isso. Deixaria para conhecer outros países apenas como turísta mesmo... :)

    ResponderExcluir
  6. Oi Filipe,

    pois é, esses questionamentos e essa sombra de arriscar um futuro quase certo por um mega nebuloso sempre aparecem. Um porque não somos mais tão inconsequetenes, dois porque não estamos acostumamos a receber incentivos de quem esta acostumado a imigrar e sim de nossos pais, amigos e irmãos que permaneceram onde estão, com poucas mudanças, e lutaram muito e conseguiram conquistar tb muito. Os outros são os aventureiros, não é mesmo? E ser aventureiro não é sempre o mais sensato, ao menos foi isso o que me ensinaram.
    Só que a gente, eu vc e outros imigrantes, temos essa idéia persistente de que, ja que é pra ralar pra cacete melhor gastar minha energia de jovem e ralar em um lugar que eu acho que vale a pena. Mas onde? É muito comum ver pessoas que saem da sua cidade natal, onde tem familia, conhecidos e vai tentar a vida em SP por exemplo. Meus pais vieram pra Brasília. Acho que com nós acontece a mesma coisa, só que o nosso problema não é a cidade, nosso problema é o lugar Brasil, que mesmo maravilhoso esta populado por espertos e por desigualdades que inquietam nosso coração e mente. Acho que não somos tão diferentes dos jovens de antes. Acho que a distância e o preço do avião é o mesmo que antes pessoas tinham que pagar e permanecer viajando de ônibus para visitar a familia que mora longe. E se o sonho de ir embora persiste é só estudar muito e rezar muito pra sermos parte da história que no final da tudo certo.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. Oi Filipe,

    pois é, esses questionamentos e essa sombra de arriscar um futuro quase certo por um mega nebuloso sempre aparecem. Um porque não somos mais tão inconsequetenes, dois porque não estamos acostumamos a receber incentivos de quem esta acostumado a imigrar e sim de nossos pais, amigos e irmãos que permaneceram onde estão, com poucas mudanças, e lutaram muito e conseguiram conquistar tb muito. Os outros são os aventureiros, não é mesmo? E ser aventureiro não é sempre o mais sensato, ao menos foi isso o que me ensinaram.
    Só que a gente, eu vc e outros imigrantes, temos essa idéia persistente de que, ja que é pra ralar pra cacete melhor gastar minha energia de jovem e ralar em um lugar que eu acho que vale a pena. Mas onde? É muito comum ver pessoas que saem da sua cidade natal, onde tem familia, conhecidos e vai tentar a vida em SP por exemplo. Meus pais vieram pra Brasília. Acho que com nós acontece a mesma coisa, só que o nosso problema não é a cidade, nosso problema é o lugar Brasil, que mesmo maravilhoso esta populado por espertos e por desigualdades que inquietam nosso coração e mente. Acho que não somos tão diferentes dos jovens de antes. Acho que a distância e o preço do avião é o mesmo que antes pessoas tinham que pagar e permanecer viajando de ônibus para visitar a familia que mora longe. E se o sonho de ir embora persiste é só estudar muito e rezar muito pra sermos parte da história que no final da tudo certo.
    Um abraço.
    (to mandando de novo pq acho que a primeira vez não deu certo com o frozenburguers)

    ResponderExcluir
  8. Eu quero ir como turista e levar meu filho de 9 anos seria para mim um PRESENTE DE DEUS se consiguisse isso,saber que pelo menos valeu todo o sacríficio que é, mesmo pra visto de turista "massante" de mais, mas se não consigo o visto pelo menos eu tentei gosto muito dessa citação que diz "É muito melhor arriscar coisas grandiosas, alcançar triunfos e glórias, mesmo expondo-se a derrota, do que formar fila com os pobres de espírito que nem gozam muito nem sofrem muito, porque vivem nessa penumbra cinzenta que não conhece vitória nem derrota."

    ResponderExcluir

Obrigado por me acompanhar! :)

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.