7 de agosto de 2014

Tempo entre uma sessão e outra do TCFQ

Post rapidíssimo!

A Carol do Blog Alors On Va comentou algo interessante em meu último post. A página do CIEP, responsável pela aplicação do TCFQ, tem uma lista de FAQ (Perguntas mais frequentes) sobre a prova, e uma delas é: Quanto tempo devo esperar para fazer uma nova prova do TCFQ, caso eu já tenha feito uma anteriormente?

Em qualquer versão da página de FAQ em línguas como português ou inglês do site, a resposta são 2 meses entre cada prova. Quando você passa o site para a versão em francês, a resposta é 1 mês entre cada prova.

Qual o correto? A versão em francês! Confirmei esta informação diretamente com o CIEP da França e eles informaram que o site realmente precisa ser atualizado nas demais línguas, mas que o correto é o que está escrito em francês.

Outra observação muito importante é que você não precisa esperar nem 1 dia para fazer outro módulo da prova que você não fez anteriormente. Por exemplo, você pode fazer a prova de compreensão oral no dia 10 de Agosto, a de expressão oral no dia 15 de Agosto, a de compreensão escrita dia 20 de Agosto e a de expressão escrita no dia 25 de Agosto, porém uma nova prova de expressão oral só pode ser feita no dia 16 de Setembro ou 26 de Setembro no caso da prova de expressão escrita, como mencionei nesse suposto cenário. Esse exemplo, claro, considerei datas da prova quase uma em cima da outra, mas se em sua região você dispor de vários TCFQs no ano, esta é a ideia de como funciona esse período entre uma prova e outra.

Então corram, aproveitem o segundo semestre para fazer o máximo de TCFQs possível buscando aumentar a pontuação na prova, utilizando a dica que dei anteriormente de fazer somente a prova que você não tem uma boa pontuação!

6 de agosto de 2014

Uma nova luz para o TCFQ e CSQ

Bom, como contei neste post e nesse post, tenho até janeiro de 2015 para reaver pontos para que a Intention de Rejet morra na intenção rs..

Tenho basicamente que fornecer um novo TCFQ com uma nota que nos garanta uma pontuação maior que 57 pontos no dossiê. Hoje temos 56, é mole? Mas tá bom!

No início do ano fiz um novo TCFQ e fiquei com B2/B2/B2/B1 (esse B1 foi em expressão oral). Isso me daria mais 1 ponto apenas em meu processo se eu trocasse o TCFQ que o BIQ possui por esse, e seria necessário conquistar 6 pontos de adaptabilidade, porém minha esposa ainda fala um francês elementar, então prefiro buscar maior pontuação em um novo TCFQ.

Após reler os critérios de realização da prova, como eu mesmo sugeri neste post, me veio a luz que me facilita em muito minhas estratégias que comentei anteriormente! A prova pode ser realizada com uma diferença de 30 dias de uma para a outra, e também pode ser realizada separadamente, ou seja, posso fazer o módulo da prova que eu desejar (expressão e/ou compreensão oral e/ou expressão e/ou compreensão escrita).

Isso me abre um leque bem mais confortável para conseguir uma pontuação alta no processo. A estratégia considerando estes fatos é:
  • Farei somente a prova de expressão oral em setembro, buscando B2 ou mais
  • Não conseguindo, farei novamente a prova de expressão oral em novembro também buscando B2 ou mais
  • Como o resultado da prova de expressão oral será mais atual do que o da prova que fiz no começo do ano, terei B2 em todos os aspectos e B2 ou superior também na expressão oral. Para isso enviarei os dois TCFQs. O do início do ano, e este com o maior resultado da oral que farei agora.
Isso me garantirá 62 pontos, caso eu tire um B2 na prova de expressão oral, ou 63 caso eu tire C1. Este resultado, em tese, me garantiria folga para conquistar apenas 1 ponto em entrevista, ou até mesmo o CSQ em casa no caso de C1.

Respirei bem mais aliviado após essa luz de Deus que me abriu essa possibilidade, até porque é complicado fazer as 4 provas novamente para tirar um novo B2 em tudo. O TCFQ, infelizmente, não é uma prova que de fato avalia sua língua. É muito mais o "saber fazer" do que o "saber falar". E claro, tirar B2 em só uma prova é mais fácil, pois posso focar meus esforços somente nela.

Toneladas mais leve, sigo estudando francês, e já retomando as aulas para fechar essa bendita prova!

Vejo vocês depois.

28 de julho de 2014

O que fazer enquanto espera 2

Acabamos buscando sempre formas de tirar o foco do processo de imigração. Estas formas nos acalmam, e nos permitem viver o momento que ainda temos no Brasil sem enlouquecer com a espera e a ansiedade que a imigração nos proporciona.

Hoje venho falar de um projeto que iniciei, e que decidir fazer enquanto espero o processo, mas também após ele e depois que já estiver no Canadá.

Trata-se de um Canal no You Tube chamado Cidadão do Mundo, no caso eu (rs..) onde compartilho minhas experiências de viagens pelo mundo. Curiosamente, no meu primeiro post com o tema "O que fazer enquanto espera", tive algumas dessas experiências que mencionarei em meu canal do You Tube.

A idéia é compartilhar não somente minhas experiências, mas dicas de tudo relacionado a viagens, estudo de línguas estrangeiras, compras, lugares interessantes, e futuramente, minha vida em solo canadense.

Buscarei responderei dúvidas de todos aqueles que assistirem os vídeos e comentarem no canal, e também fazer vídeos sobre essas dúvidas.

Acompanhe no Facebook ou no Youtube!

Ainda está simples, mas espero que gostem!

Confiram meu último vídeo:

24 de julho de 2014

Email do BIQ - E a história ficou assim...

Bom, como vocês notaram no post anterior, eu recebi uma Intention de Rejet.

Tecnicamente, esta Intention de Rejet foi injusta, pois enviei o dossiê em Julho de 2012. As regras foram divididas em dossiês enviados antes de Agosto de 2013 e depois de Agosto de 2013. Recentemente (em Abril) o processo de imigração por Quebec sofreu uma mudança, onde poucos ficaram sabendo, inclusive eu, e que impactou todos os processos abertos e que ainda não tinham recebido CSQ. A mudança foi: TODOS, sem exceção, todos os processos serão avaliados sobre a nova regra de 2014, onde, entre as exigências, é necessário que o aplicante tenha ao menos nível B2 em francês para pontuar. Não importa e você mandou em 2011 e 2012, onde as regras pediam B1. Você vai ter que rebolar pra fazer outro TCFQ e atualizar sua nota.

Isto eu fiquei sabendo após mandar e-mails para vários agentes de imigração do BIQ México, inclusive para a diretora. E bom, injustiça por injustiça, já vivemos o bastante dela no Brasil. Fui prejudicado por essa decisão, mas agora não adianta ficar reclamando se meu objetivo é sair do país. Tenho que correr atrás.

O que consegui com a troca de e-mails com o BIQ:
  • Devido às datas de realização do TCFQ estarem fora dos 90 dias concedidos pelo BIQ inicialmente, ganhei mais 90 dias, totalizando um total de 180 dias totais para enviar uma nova pontuação de francês e melhorar pontuação preliminar para igual ou maior que 57.
  • Apesar do quadro de matérias de graduação da esposa não ter sido traduzido por descuido meu, eles reavaliaram os documentos dela, e por ter o diploma universitário, me deram mais 2 pontos indo então para 56 ponto ao invés de 54.
Tenho duas estratégias na manga:
  1. Tenho o resultado do TCFQ que realizei no início deste ano, onde pontuei B2/B2/B2/B1. Infelizmente este B1 foi em expressão oral, pois estava ansioso no momento da prova e não me saí bem. De toda forma, este TCFQ me garante 1 ponto a mais do que o TCFQ enviado com C1/B1, o que me permite alcançar 57 pontos no limite. Esta estratégia eu apenas utilizarei em último caso. Então, teoricamente, este é o plano B.
  2. Em agosto retomo o estudo do francês, participando de turma de conversação para não ter mais problemas neste ponto, e já vou marcar uma nova prova do TCFQ, que provavelmente será em Outubro. A expectativa é alcançar um TCFQ completo B2. Assim aumento minha pontuação de 56 pontos para 62. Este é o objetivo principal, plano A.
Enquanto isso, a esposa já está forte em aulas de francês particulares para avançar o máximo possível até uma possível entrevista.

Sendo injustiçado ou não, eu só desisto quando conquistar a imigração.

Até a próxima!

8 de julho de 2014

Intention de Rejet... É sério isso?

Pois é, recebi o email de Intention de Rejet na última sexta feira, e não acreditei...

Eu estava realmente certo de que seria convocado para estas entrevistas de Setembro, e acabei tomando este balde de gelo puro. Fui ler a avaliação feita, e descobri que estou sendo avaliado de forma injusta pelo BIQ...

Muitos que me acompanham sabem que enviei os documentos bem "mastigadinhos" ao BIQ, com tradução de documentos por tradutor canadense, TCFQ logo após saída a regra do francês, e tudo mais. Tudo bem detalhado e organizado, veja neste tópico.

Pois bem, a avaliação foi a seguinte:
  • Meu francês, conforme a pontuação que informei no tópico anterior, foi C1/B1 no TCFQ, me garantindo 12 pontos no dossiê. Eles simplesmente ignoraram o fato de existir duas regras (uma anterior e uma após agosto de 2013), mudaram o GPI a revelia agora em Abril, não notificaram os imigrantes que já tinham enviado os documentos, e me avaliaram com 6 pontos no dossiê, acatando apenas o C1 da minha nota, e informando na avaliação do meu dossiê que "eu não quis prover as notas de expressão e compreensão escritas, além de não ser hábil na compreensão oral devido ao B1". Quase surtei...
  • O histórico universitário da esposa, infelizmente, não tinha sido traduzido e acabou sendo enviado assim. Por este simples fato, mesmo tendo em mãos o diploma dela, ele informou que ela tem nível secundário e ganharia 1 ponto ao invés de 3.
Resumo da obra: recebi 54 pontos ao invés dos 60 pontos que eu teoricamente teria.

Fiquei realmente frustrado com o Québec, com a falta de ética, transparência e respeito nas avaliações. São sonhos, tempo, dinheiro, uma vida que está em jogo, para eles simplesmente mudarem tudo, tomarem as decisões que bem entenderem, e cada um que se vire. Se soubesse disso antes, já teria enviado minha documentação para o FSW, que agora já está prestes a fechar, ou mesmo aplicado para o visto de trabalho temporário ou estudos...

Enviei um email a vários representantes do BIQ, inclusive para a diretora, e também encaminhei um email para o MICC para saber porque eles simplesmente ignoraram as regras, e me colocaram na regra atual, sem avisos, sem informações.

Tenho o TCFQ que fiz no começo do ano com a pontuação de B2/B2/B2/B1. Este último B1, infelizmente, foi da parte de expressão oral, pois estava apreensivo na hora. De toda forma, isto me garante, somado ao documento da esposa traduzido, que eu chegue aos 57 pontos, mesmo considerando as regras atuais. De toda forma, terei que lutar por um novo TCFQ, buscando um B2 completo, para ter sobras de pontuação, pois minha esposa não tem praticamente nada de francês e inglês, o que seria arriscado em uma entrevista.

Vou aguardar a resposta do BIQ e MICC. Não vou desistir de imigrar, mas sinto-me realmente frustrado de saber que estou aplicando por Québec, e saber que tive de ser tratado com tamanha falta de ética e desonestidade no processo.

Mas as porradas da vida só servem para que a gente se levante mais forte, e eu estou de pé para o próximo round.

16 de junho de 2014

Depredação, Copa, e Outras Tristezas Mais

Antes de qualquer coisa, eu sei que essa "choramingação" é chata, mas aqui vai um post desabafo.

Eu sou uma das pessoas mais anti-futebol que há na Terra, muito disso advindo da realidade brasileira com relação a esse esporte. Muito tristemente o futebol é a razão da amnésia generalizada da população para a violência, a corrupção, a saúde precária, e todos os blablabla's da triste realidade brasileira. O futebol é a "paixão nacional", a forma de fazer com que todo mundo seja patriota por 30 dias, a forma de alegrar a vida de comunidades carentes, a forma de reunir pessoas que se tratam na base da hipocrisia... Mas pera, onde está o foco de tudo isso, pelo amor de Deus?

Hoje, em uma conversa com colegas do trabalho, um espanhol disse que no seu país não se param as atividades normais de trabalho e do país por conta de esporte nenhum. Eles possuem fortes atletas em diversas modalidades, torcem, apoiam, mas a vida anda, o cotidiano não pára. Teve jogo? Beleza! Ganhou bem, não ganhou, amém! Vamos ao trabalho! E essa cultura do feriado nacional para assistir jogo da copa, de horários especiais, de fechar todas as vias que circundam os estádios, e essa felicidade brasileira de ter folga pra tudo, inclusive para a copa, mostra que a nossa cultura se mata de dentro pra fora.

Não adianta colocarmos a culpa na Dilma, no fulano ou cicrano. O problema é NOSSO. Deveríamos nos alegrar em trabalhar, em fazer a diferença, em ver as coisas mudando com as NOSSAS MÃOS. Mas não, sentamos, assistimos aos jogos, reclamamos de tudo e todos, e "tomamos ferro" de todos os lados porque os "inconformados" no Brasil são uma minoria que não faria nem cócegas na triste realidade do país. Manifestações de 10 mil pessoas no senado parece até brincadeira para uma nação de MILHÕES E MILHÕES E MILHÕES DE PESSOAS.

Quando acordei pela manhã hoje, encontrei minha moto depredada porque o ladrão ou viciado que tentou, não conseguiu leva-la e escolheu quebrar o que conseguia para inutiliza-la. Não estou dizendo que no Canadá, na Europa ou na "casa da mãe Joana" não tenha ladrão, viciados e afins. Todo lugar tem. O problema é a bendita cultura do "vou pisar na cabeça do próximo, pois essa é a forma mais fácil, barata e rápida de conquistar o que eu quero". Isso é Brasil. Não adianta, todos nós temos isso nas entranhas, e diariamente vemos bizarrices por todos os lados.

Dou graças a Deus, pois tenho a oportunidade de ir para um país que ao menos respeita o meu esforço, meu trabalho, minha família e oro para que aqueles que ficam possam ter o mínimo de dignidade e a mesma ou melhores oportunidades que eu tenho para ter uma vida melhor.

O Canadá com certeza não é o Éden, mas o Brasil, a cada dia que passa, não é o meu lugar...

8 de abril de 2014

Trabalho aos montes. Possibilidade Zero

Exatos 1 mês após mudar o perfil do LinkedIn para o Canadá, recebi 4 contatos de diferentes províncias e oportunidades.

A primeira, como mencionei anteriormente, foi uma oportunidade para trabalhar em uma empresa petrolífera situada em Alberta. Não cheguei a fazer entrevistas, pois eles demandam obrigatoriamente o visto de Residente Permanente e não estavam dispostos a oferecer uma oportunidade de trabalho temporário.

A segunda foi uma oportunidade para trabalhar em Toronto. A recruiter elogiou o perfil, mas infelizmente tive a mesma limitação que tive para a primeira oportunidade com relação ao visto.

A terceira tratou-se de um contato de uma recrutadora da Abacus Talent. Ela mencionou que alguns clientes Abacus estavam bastante interessados no meu perfil, e gostariam de realizar algumas entrevistas. Desta forma, enviei meu CV, ela me chamou para uma entrevista via Skype para entender em que etapa eu estava no processo. Expliquei que o BIQ "engargalou" os processos a partir de 2012, e ela ficou chocada em saber que estou esperando a etapa provincial há 1 ano e 9 meses. Informou que poderia até dar sequência nas entrevistas se eu tivesse o CSQ, mas que no momento não podemos seguir adiante. Informei dos rumores de que apenas em Outubro teremos uma nova missão de seleção. Ela informou que irá me contatar novamente em Agosto para obter novidades sobre o andamento do meu processo. Desolé...

A quarta foi ainda esta semana. Também um recrutador, desta vez de Montréal, perguntando se estou em busca de novas oportunidades, pois ele dispõe de uma vaga com salarial diferenciado e tudo mais. Enviei o CV uma vez mais, e vamos ver como as coisas seguem. Não vou esperar pelo pior, pois apesar de desanimado com a lentidão do processo, tenho esperança de que as coisas andarão ao meu favor em breve. Seja com o CSQ, ou com uma oportunidade de trabalho temporário enquanto espero o PR.

Essas experiências me geram uma sensação boa, pois em 1 mês, sem enviar 1 CV sequer ou buscar qualquer informação sobre novas vagas no Canadá, recebi 4 possibilidades fortes de trabalho exatamente na minha área.

É fácil notar que HÁ trabalho. Creio que se eu enviasse o CV para para as empresas e participasse de mais seleções em aberto, conseguiria rapidamente uma posição (caso tivesse o PR).

É realmente triste lidar com este tipo de situação, pois poderia estar já neste momento me alocando no mercado canadense, mas... tenho de esperar pela vontade do BIQ em olhar para minha "pasta de papéis empoeirados".

Paciência, cabeça erguida e vamos em frente.